sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Lados


Um dia variado, suave e agitado é como eu posso definir minha última sexta-feira.

Por algum motivo, elas são sempre especiais.
Primeiro, por que marcam o fim de mais uma semana de trabalho, de rotina, de cansaço e abre oportunidade para uma leve mudança de ares.
Segundo porque elas nunca são iguais, sempre trazem um quê de surpresa e novidade ou de expectativa.
Essa me serviu para algo muito útil: aprendi mais de mim e dos outros!
Aprendi que assim como o meigo Aluado de Harry Potter, personagem que até tinha esquecido existir, eu tenho uma pequena fera dentro de mim, uma lobinha voraz e irritadiça que pode ser um pouco desagradável ou intratavel, inconveniente e praticamente orientada a impulsos. O que fazer quando eu me transformo nessa ferinha? Hoje, por assumir repentinamente essa forma, eu aproveitei... nem sempre tenho essas liberdades, estou consciente porém que preciso reforçar as correntes que mantém minha parte lobinha contida...
Resolvi que uma das minhas opções de faculdade será definitivamente Psicologia. Embora me identifique com uma porção de áreas, esta é uma que realmente não vai sair da minha lista tão cedo. Tenho medo de assumir o compromisso com Freud e companhia às vezes, mas afinal, se eu não correr pelo menos esse risco na minha vida como é que vou viver?
A gente pode ser super protegido por nós mesmos, essa coisa de auto preservação não pode chegar a níveis mórbidos...
Descobri que um dos pequenos prazeres da minha vida é desenhar. Meu traço pode ser inseguro e instável, mas alegra demais fazer o quadro mental de cada novo desenho que quero um dia transformar em grafite sobre celulose. Escrever tem sido meu drama, entre um bloqueio e outro, e fiquei feliz ao notar como a história está seguindo sozinha o caminho que ela quer, quase sem interferência minha. Em seguida, divido meus prazeres entre ler e jogar Game Boy, que é o único videogame que essa casa tem. Assistir DVD ou TV vem em última coisa. PC rules!
Me pergunto porque as pessoas de opinião formada se tornam tão extremistas... É mesmo preciso isso para defender um ponto de vista? Minha mente está sempre passeando flexiva por toda gama de assunto, aprendi a ser mais tolerante e versátil, a não me prender muito fixamente numa idéia só. O mundo é tão diverso, rico e variável que ser tão decidido quanto a algo eleva a pessoa a um nível intragável de idealismo vão. É preciso criar um equilíbrio para ter uma noção saudável e satisfatória da sua vida e do mundo ao seu redor. Ter a mente e coração aberto para compreender cada sutileza envolvida em qualquer situação, mundana ou não.
Achei legal a frase que ouvi mas não lembro com certeza. Viver num mundo de faz de contas é bom e muito fácil - mais ou menos isso que foi dito. Pior que é, né? Mas uma hora chega o fim do arco-íris e ele fica distante demais para subir de volta para a cavalgada.
Interessante mesmo é que o mundo de faz de conta nem sempre é feliz. Nem sempre a ilusão que vivemos é boa, para distrair, entreter. E quando seu mundo de "make believe" é só uma opção mais cruel da realidade, que você mentaliza para fazer tudo ser mais difícil? Complicar as coisas é muito simples.
Me diverti com a espontaneidade de todos hoje. Senti uma sintonia que há anos não sentia... Tinha esquecido de como era bom...
Hoje, aconteceu de novo, depois de tanto tempo, me fez lembrar que em remotos anos de colegial as tardes de domingo eram passadas e dedicadas a um conversê sem fim de tantos assuntos, quase sempre profundos, eu traçando perfis de meus interlocutores. E hoje foi exatamente assim: conversa diversa divergente que enquanto discute o universo não leva a nada, não serve para encher nem uma casca de noz. Uma hora tão longa e sem preço... Fim de tarde agitado, verdadeiro, insano. Uma integração entre todos, uma disposição em escutar, em aturar, em dizer e gritar (por que não incluir também em cantar até com air guitar?) - disposição de ser quem você é sem rodeios, sem "doushite"... Entre decidir e hesitar, entre ser e negar, entre querer sem poder.

Enfim, meu fim de semana começa bem. Como vai terminar, só vou descobrir em 48 horas, muito mais do que Jack Bauer sonhou...
Que a força do lençol esteja com você! *tosco isso... mas irresistível*

3 comentários:

Rodney Hanter Porlok disse...

só vou descobrir em 48 horas, muito mais do que Jack Bauer sonhou...

Huhauhauhauhuha... péssimo isso... muito feliz...
E affe, nem tenho nada pra falar pra você... ainda não entendi a finalidade da mensagem de ontem no celular... ¬¬
E você chegou em casa correndo e postou no blog é? Eu ein... hehehhe
Nada a declarar... xD

Robson Oliveira disse...

hehehehehehee...fico contente em saber vc tomou algumas decisões... PARABÉNS ... sabe isso realmente eh algo dificil de fazer ^^ ...
eu mesmo ainda tenho muitas incertezas ...

mas isso aew... que a força do lençol esteja com vc :D...

com dizem a União faz a Forca ^^... (quanto todo mundo pensava que era o açucar..rsrsrs)

Kyamel disse...

Gostei muito do seu post Nique!!!!
Tão profundo e ao mesmo tempo tão leve!!!!
É verdade, fiquei a meditar no porque os pessoas que já tem suas opiniões formadas são tão chatas....e acho que funciona assim...
"- tolerância não combina com conhecimento."
Em geral quando achamos que já sabemos de tudo,e que nada mais existe para ser acrescentado; ficamos mais duros, mais inflexíveis no que se refere a novas idéias e conceitos!!!
Isso explica o porque os mais idosos são tão intolerantes com os mais jovens e vice-versa.....
Bem acho que é mais ou menos por aí....
Bjosssss....................

Reader